A História da Banda Queen Uma das Mais Famosas

A História do Queen

A História da Banda Queen, Uma das Maiores Bandas de Rock de Todos Os Tempos

Início da História da Banda Queen

A história da Banda Queen, um dos maiores expoentes do Rock in roll, o Queen começou a surgir em 1968, quando os amigos de escola Brian May (guitarrista) e Tim Staffel (baixista e cantor), decidiram formar uma banda e colocaram um anúncio no Imperial College em Londres,  a procura de um baterista.

Embora procurassem um batera estilo Ginger Baker e Mitch Mitchell, um estudante de odontologia chamado Roger Taylor se candidatou.

Mesmo tendo um estilo de tocar, mais na pegada do Keith Moon do The Who, Taylor agradou aos dois e passou a integrar o Trio, que nesse início era chamado de Smile.

Freddie Mercury

Freddie Mercury em Show da Banda

A história da Banda Queen começa a tomar forma, quano Tim conheceu o Tecladista e vocalista Farrokh Bulsara, que tinha o apelido de Freddie, no Ealing Art College e ficou amigo do mesmo.

Mesmo tendo participado de outras bandas, como a Ibex, que depois mudou o nome para Wreckage, e também a Sour Milk Sea, Freddie não aparentava muita satisfação, pois essas duas bandas tinham a obrigatoriedade que o mesmo cantasse blues.

Freddie era bem mais eclético que isso, e ficava cada vez mais fã do Smile, sendo apresentado por Tim a Roger e Brian em 1969.

Embora os dois achassem o jeitão meio afeminado de Freeddie como uma barreira, o cidadão até as unhas pintava, eles admiraram o mesmo pela sua personalidade forte e cativante.

Bulsara, foi morar próximo a eles, esse fato fez eles o conhecerem melhor a ponto de facilitar mais tarde sua entrada para a banda.

Saída de Staffel

Em Abril de 1970 Staffel deixa a banda, para fundar uma nova chamada Humpy Bong.  Aberta a vaga de vocalista no Smile, A história da Banda Queen começa pra valer com Freddie foi efetivado como vocalista da banda.

Uma das primeiras atitudes de Freddie na banda, foi influenciar Taylor e May, a mudarem o nome da banda para Queen, que segundo ele tinha um peso maior do que “The Rich Kids” ou “Grand Dance”, como opções para o novo nome.

Freddie passou a usar Mercury como sobrenome inspirado no verso Mother Mercury, look what they’ve done to me”, da canção “My Fairy King” e também em Mercúrio mensageiro dos Deuses na Mitologia Grega.

A Busca Por Um Novo Baixista

Como Mercury era tecladista, eles precisavam de um baixista para o lugar de Tim. Taylor convidou então Mike Grose, que já havia tocado anteriormente com o Smile.

No entanto a passagem de Grose, foi curta apenas dois shows, mesmo com a expectativa de explosão  de sucesso, ele não suportou as frequentes brigas entre Taylor e Bulsara pela liderança da banda e acabou saindo.

O Queen ainda teve mais dois baixistas com breve passagem, Barry Mitchell e Douglas Bogie, mas ambos tiveram atritos com o imperialista Freddie e logo saíram.

John Deacon

Após sessões de audição mal sucedidas, Roger e Brian  conheceram John Deacon em um discoteca.  Sabendo da vaga de baixista, o mesmo se candidatou e foi aprovado em sua audição.

Deacon além da boa performance, tinha a personalidade exata que o grupo procurava, quieto, reservado e anônimo.

Sobre sua entrada na banda John disse:

Antes de tudo, eu conheci Roger e Brian em uma discoteca. Eu ouvi falar que eles estavam procurando por um baixista, então eu conversei com eles – e realmente tinham feito até audições algumas semanas antes, mas não conseguiram encontrar ninguém que parecia se adequar. Freddie já estava em cena até então, por isso a minha entrada foi a formação final do Queen como somos hoje.

John Deacon, sobre seu ingresso no Queen.

A Batalha Pelas Gravadoras

Queen no Início da carreira

Quarteto finalmente composto, começava ali a batalha pelas gravadoras, e após muitas negativas, lançaram seu álbum de estreia,  homônimo da banda em 1973 pela gravadora Trident.

Contudo os 3 primeiros álbuns da banda não decolaram e fez os mesmos até passarem por dificuldades financeiras, quem diria hein.

O Sucesso só veio a partir do 4º álbum da banda em 1975 A Night at the Opera.  A Banda vendeu mais de 300 milhões de discos, num total de 14 álbuns ao longo da carreira.

Crises e Polêmicas

Em 1983 quase todos os integrantes do Queen estavam em projetos paralelos, havia-se o rumor de que eles se separariam.  Fred em entrevistas alegava que não, que era apenas uma pausa temporária.

Se reuniram novamente para lançar o álbum The Works, já que seu antecessor Hot Space, não teve o sucesso esperado.

Cada Um Por Si

O Queen tinha uma particularidade que não vimos em outras bandas.  As canções eram feitas e escritas de forma individuais, desde o início da carreira.  Ou seja, não eram igual as outras bandas, que os compositores se reuniam para criar.

Cada um criava a canção e apresentava aos demais para audição.

As canções de Roger Taylor não agradaram aos demais, para a composição do The Works, Freddie pediu para que Taylor se dedicasse mais, para não ficar sem canções no álbum.

Foi aí que Taylor criou um dos maiores sucessos do Grupo, o Hit Radio Ga Ga, Deacon colaborou com outro grande Hit, I Want To Break Free, May com o quase metal Hammer to Fall e Mercury com “It’s a Hard Life”.

Nem preciso falar do sucesso que foi esse álbum.  No fim das contas, mesmo em uma série de atritos, decidiram que o grupo era mais importante, e foi o que os manteve unidos.

A Doença e Morte de Freddie

Mary cuidando de Freddie já doente

Após o fim da turnê do álbum A Kind Of Magic, que foi outro estrondoso sucesso, os integrantes voltaram a trabalhar em projetos solos em paralelo.

Entre abril e maio de 1987 Freddie Mercury, foi diagnosticado com o vírus da Aids, o que atrapalhou todos os planos do artista.

Ele manteve a doença em segredo aos parceiros de banda até meses depois do lançamento do álbum Miracle.

A notícia deixou todos tristes e devastados, e os fizeram apressar a criação de mais um álbum Innuendo pelo pouco tempo de vida que se imaginava para o vocalista.

O álbum foi lançado em 1989 com Freddie participando pouco nos vídeos, e as promoções eram feitas por Brian e Roger.

A imprensa questionava sobre o estado de saúde do vocalista que pouco aparecia.  As letras das músicas nesse último álbum estavam mais sérias e reflexivas.

Os Integrantes negavam qualquer doença, colocando Freddie na espécie de uma bolha protetora.

Freddie só foi admitir sua doença em público, um dia antes de sua morte.

Ele morreu em 24 de novembro de 1991.  Sua morte foi diagnosticada como Broncopneumonia, seu funeral ocorreu três dias depois em Londres e contou com a participação de 35 pessoas.

Entre elas, a família de Freddie, os membros do Queen, seu empresário e por Mary Austin o “Amor da sua Vida, a quem foram entregues as cinzas do cantor.

Relacionamento Com Mary Austin

Freddie e Mary

Apesar de no filme Bohemian Rapsody, ter explorado mais a homossexualidade do cantor na sua vida pessoal.

Não tem como negar que Mary Austin foi o relacionamento mais importante da vida do Cantor.

Eles namoraram e viveram juntos por 6 anos, de 1969 a 1975, quando se separaram, quando ele contou a mesma sobre a bissexualidade e ter tido uma relação extra conjugal com um homem.

Pra você ter uma ideia, Mary no princípio da carreira do Queen, tempo das vacas magras.  Chegou até a sustentar Freddie, quie focava só na época, nas criações para a banda.

Freddie reconheceu isso composição da música de maior sucesso da banda, Love of My Life.

Ele homenageia Mary na letra dessa música, e mesmo separados, ela ficou ao lado do cantor, cuidando dele, quando estava doente, até seus últimos dias de vida.

Freddie deixou toda herança e direitos de suas músicas creditados a ela.

A Aposentadoria de John Deacon

Após o Lançamento de Made In Heaven em 1995, último álbum da banda, que continha 3 gravações deixadas por Freddie.  John Deacon, anuncia sua aposentadoria e saída da banda.

Alegando que queria dedicar-se mais a sua família, mesmo porque, sua sexta filha acabara de nascer.

Contudo o mesmo ainda se apresentava com outros músicos, conforme Brian e Roger o chamavam.

Projeto Paul Rodgers

Queen + Paul Rodgers em Show

O Projeto dos remanescentes do Queen Roger e Brian,  Queen + Paul Rodgers,  ex vocalista do Free, Bad Company e The Firm iniciou em 2004 para um recebimento de prêmio pelo Queen e durou até 2009.

Esse projeto gerou turnês e um álbum de estúdio, o Cosmos Rock, lançado em 2008, que trazia apresentações ao vivo do repertório de Rodgers e do Queen.

Em 2009 Rodgers anuncia o fim do projeto, dizendo que o mesmo não pensado em algo como permanente.

Projeto Queen + Adam Lambert

Brian May e Adam Lambert em entrevista coletiva

Essa parceria foi criada em 2011 e dura até hoje, além da participação do vocalista Adam Lambert, revelado pelo programa American Idol da TV Americana, conta com os participantes Rufus Tiger Taylor (filho de Roger) na percussão, Spike Edney nos teclados e Neil Farclough no baixo.

Ela atraiu mais controvérsias que a anterior com Paul Rodgers e dividiu opiniões do público.  No entanto Brian e Roger, declararam que trabalhar com Lambert, trouxe resultados mais positivos do que com Rodgers.

Eles participaram de várias turnês nesses últimos anos, passando inclusive aqui no Brasil em 2015, onde seu trabalho foi elogiado pela crítica.

Atenção você que deseja aprender a tocar guitarra e não sabe como.  Tem um curso nota mil pra você, que te ensina do zero, clique aqui ou na imagem abaixo e saiba mais.

Curso Guitarra Rock 2.0

Quer acompanhar essa matéria em vídeo? É só clicar no player abaixo:

Vídeo dessa matéria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

YouTube
Instagram

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Me Chame